Escreva a sua pesquisa

Mostrar mensagens com a etiqueta Pele. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Pele. Mostrar todas as mensagens

28 de julho de 2019

Como prevenir o cancro da pele

domingo, julho 28, 2019
Neste artigo apresentamos algumas recomendações para prevenir o cancro da pele e alertar para a importância da prevenção e da realização de um check-up periódico, para detectar qualquer anormalidade que possa surgir na pele antes que seja tarde demais. 

Como prevenir o cancro da pele

O verão acabou de chegar e para breve está previsto um aumento das temperaturas em Portugal, e por isso altos índices de raios UV, situação que exige uma maior cautela diante do risco de cancro da pele devido à exposição contínua ao sol. 

Nos últimos anos os casos de cancro da pele duplicaram em Portugal, sendo o melanoma, uma das formas mais malignas do cancro da pele, tendo como causa a exposição ao sol excessivo que os portugueses apanham na praia. 

A maioria das pessoas que vai à praia apanha um escaldão e subestima os danos que a queimadura solar pode causar à sua pele, pois acham que a vermelhidão da pele é inofensiva e faz parte do processo de bronzeamento da pele, mas um escaldão pode causar danos irreparáveis na pele e dar origem a cancro na pele. 

Por isso, é necessário ter atenção às mudanças na pele e ao aparecimento de manchas que podem vir a tornar-se perigosas se não forem detetadas a tempo, porque podem vir a tornar-se num cancro da pele. 

Embora o cancro da pele não apareça apenas a partir de manchas visíveis na pele, pois ás vezes também surgem melanomas malignos, sem alterações de cor da pele, sendo muito difíceis de diagnosticar. 

Existem áreas do corpo onde podem surgir vários tipos de cancro, que são muito difíceis de detectar, já que a sua origem é nas células chamadas melanócitos, que nos dão o pigmento da pele, olhos e mucosas. 

Deteção precoce

É de extrema importância a deteção precoce do cancro da pele através de check-ups constantes. Quando o cancro da pele é detectado em estágios iniciais, ele é removido e não há problema, sendo a taxa de sobrevivência muito alta, mas tudo depende do estágio do cancro no qual o diagnóstico foi feito, o que afeta o resultado do tratamento. 

Entre os principais fatores de risco a considerar, estão a exposição prolongada ao sol, ter história familiar de melanoma ou ter mais de 15 ou 20 sinais no corpo. 

Recomendações para prevenir o cancro de pele:

É recomendado visitar um dermatologista pelo menos uma ou duas vezes por ano, para descartar a presença de cancro, como o carcinoma basocelular, carcinoma das células escamosas ou melanomas (o mais grave). 

Deve ter atenção aos sinais que mudam de cor, sejam para mais escuro ou mais claro que o normal. 

Artigo relacionado:  5 Cuidados a ter com a exposição ao sol

Também é aconselhável consultar um dermatologista se as bordas do sinal ficarem irregulares ou aumentarem de tamanho. 

É importante evitar a exposição ao sol nos horários de pico, entre as 11:00 e as 17:00 horas, além de que deve usar protetor solar e aplicá-lo a cada 4 horas nas áreas mais expostas e ter barreiras físicas como chapéus, roupas e lentes escuras. 

Como reconhecer os sintomas do cancro da pele 

A regra ABCDE ajuda a conhecer os sinais de alerta do melanoma

A - Assimetria: o sinal quando dividido ao meio, uma metade é diferente da outra metade. 

B - Borda: as bordas são mal definidas ou irregulares. 

C - Cor: alterações na cor de um sinal, pode até ter diferentes tonalidades, incluindo escurecimento, perda de cor ou a aparência de cores diferentes, como castanho, preto e por vezes de vermelho, azul e branco. 

D - Diâmetro: se o sinal é maior que 6 milímetros. (mais ou menos do tamanho de uma borracha de lápis). 

E - Elevação: o sinal está elevado acima do nível da pele e tem uma superfície irregular. 

Outros sinais de aviso são: 

  • Uma ferida que não cicatriza. 
  • Vermelhidão da pele ou uma inflamação além da borda do sinal. 
  • Alterações na pele (comichão, sensibilidade ou dor). 
  • Alteração na superfície da pele (descamação, exsudação, sangramento ou aparecimento de um nódulo). 

Às vezes é difícil distinguir a diferença entre um melanoma e uma verruga comum, por isso é recomendado que você mostre ao seu médico qualquer sinal que seja duvidoso.

12 de julho de 2019

5 Cuidados a ter com a exposição ao sol

sexta-feira, julho 12, 2019
O sol faz muito bem a saúde, já que ele nos dá a vitamina D. Porém, como tudo na vida, a exposição ao sol excessiva pode ser muito prejudicial, por isso, é essencial ter cuidado na hora de sair à rua. 
5 cuidados a ter com a exposição solar

Perigos da exposição ao sol 

A exposição ao sol, mesmo com proteção, pode ser muito perigosa. Entre os perigos da exposição solar estão: cancro de pele, fotoenvelhecimento da pele, flacidez, manchas, linhas de expressão e rugas. A pele corre muitos riscos quando exposta ao sol. Além dos problemas anteriormente descritos, a exposição solar pode causar outros problemas na pele, são eles: 

Melasmas – São manchas de sol acastanhadas causadas pelo excesso de exposição solar durante a vida. É um transtorno cutâneo comum que pode surgir em qualquer pessoa. No entanto, as mulheres têm mais risco de desenvolvê-la. Os melasmas são mais comuns em mulheres grávidas, nas que tomam contraceptivos orais e também nas que fazem reposição hormonal durante a menopausa. O melasma também pode ser causado por fatores raciais e genéticos. 

Fitofotodermatoses – São manchas comuns causadas pela exposição solar. É resultado de uma inflamação pelo contato da pele com algumas frutas, especialmente as cítricas, como o limão. Quanto mais clara for a pele mais manchada ela ficará. Essas manchas têm tons de castanho e não causam ardência nem comichão. 

Melanose solar – Também conhecida como melanose senil, são manchas escuras, de cor castanho claro a castanho escuro, são pequenas, mas podem aumentar de tamanho com o passar do tempo. Elas aparecem somente nas regiões mais expostas ao sol como o rosto, o dorso, os braços, as mãos, os ombros e o peito. São mais frequentes em pessoas com pele clara, mas não têm relevo nem textura. 

Queratose – É uma ferida áspera, de cor esbranquiçada ou avermelhada, que não sara. A probabilidade de essa ferida se tornar um cancro de pele é de 20%. Essa ferida, além de ser áspera é endurecida. 

Diferenças entre os raios UVB e UVA 

UVB – Os raios de sol UVB não ultrapassam as nuvens, deixam a pele vermelha e queimada, auxiliam na fabricação da vitamina D, aumentam o risco de cancro de pele, e são abundantes entre as 10h e 16h e tem alto grau de intensidade. 

UVA – Os raios de sol UVA atingem a derme, camada mais profunda da pele, dando a aparência de um bronzeado. Eles ultrapassam as nuvens, ou seja, mesmo em dias nublados, eles podem atingir a pele. Responsáveis pelo bronzeado, rugas e manchas de pele, tem médio grau de intensidade, não é bloqueado totalmente com protetor solar, produzem vitamina D e são responsáveis pelo cancro de pele e envelhecimento precoce da pele. 

Tanto os raios UVA quanto os raios UVB são responsáveis por 90% da produção da vitamina D, essencial para o fortalecimento e formação dos ossos. 

5 cuidados a ter com a exposição solar 

1. Protetor solar – Quando se fala em exposição ao sol, o primeiro item que vem à cabeça de todos é o protetor solar. Escolha um protetor que proteja a pele de todos os tipos de raios de sol como o UVA e o UVB e com FPS de 15 a 50. Quanto mais clara a pele maior deve ser o fator de proteção. 

2. Não confie somente no protetor – Muitas pessoas, quando vão apanhar sol, aplicam apenas o protetor. Porém, é muito importante usar outros meios para se proteger do sol como chapéus e óculos. 

3. Apanhe sol nos horários certos – Quando for à praia ou piscina, prefira os horários antes das 10 horas da manhã e depois das 16 horas da tarde. 

4. Aplicação do protetor solar – Quando for se expor ao sol, faça a aplicação do protetor solar a cada meia hora, assim, garantirá mais proteção. 

5. Fique no sol por pouco tempo – Quando for apanhar sol, procure ficar pouco tempo, assim não correrá riscos de ter manchas de pele e cancro.

15 de setembro de 2015

5 Hábitos que prejudicam a pele

terça-feira, setembro 15, 2015

São muitos os hábitos que prejudicam a pele, deixando-a seca, envelhecida, sem brilho, com manchas e com aspecto desagradável. Muitas mulheres acham que usando cremes anti-idade, hidratantes e fazendo tratamentos faciais e corporais, ficarão sempre com a pele bonita, jovem e saudável, porém se tiverem alguns hábitos prejudiciais à pele de nada adiantarão todos os produtos e tratamentos.

Hábitos que prejudicam a pele

Exposição ao sol sem protecção – Ficar exposto ao sol sem protecção destrói a produção de colagénio e as fibras da pele, causando manchas e rugas, e ainda pode provocar cancro de pele. Por isso, é essencial o uso de protetor solar, não só no Verão, mas durante o ano inteiro.

Má alimentação – Todos os alimentos que comemos influenciam a nossa saúde, mas os alimentos gordurosos e industrializados, para além de contribuírem para outros problemas de saúde, quer a nível de sangue, aumento de peso, etc, ainda provocam inflamação nas células da pele causando rugas. O indicado é ingerir alimentos ricos em fibras que estimulam a produção de colagénio, como a aveia 

Bebidas alcoólicas em excesso – Esse hábito ajuda na formação de linhas de expressão, na desidratação da pele e na formação dos radicais livres. Sem falar que beber muita bebida alcoólica pode causar diversas doenças.

Dormir com maquilhagem – A maquilhagem faz parte do dia-a-dia do mundo feminino, e não é mito quando ouvimos dizer que devemos sempre retirar a maquilhagem quando vamos dormir. Dormir com maquilhagem faz com que os poros fiquem obstruídos, não deixando a pele receber oxigénio, e consequentemente causando o envelhecimento da pele.

Fumar – Além de ser um dos piores inimigos para a saúde em geral, fumar quebra as fibras elásticas da pele e estimula a produção de radicais livres. Impede também a oxigenação da pele e provoca o seu envelhecimento. 

8 de maio de 2015

Acne - Causas, sintomas e Tratamentos

sexta-feira, maio 08, 2015
O que é ?
O Acne é popularmente conhecida como "espinha". Este é uma inflamação do folículo pilossebáceo. É através deste folículo que o sebo faz o seu percurso das glândulas sebáceas (onde é produzido) até a pele.
É, também, uma doença de pele vulgar, caracterizada por áreas de vermelhidão e crostas, pontos negros e brancos, pápulas, espinhas ou borbulhas e cicatrização cutânea. É uma condição da pele que ocorre quando os folículos pilosos da pele ficam obstruídos por sebo e células mortas, ficando colonizados por bactérias que geram inflamação. 
O Acne mais comum aparece no rosto, pescoço, peito, costas e ombros.

Tipos de Acne
Acne do Recém-nascido - Os recém-nascidos desenvolvem acne leve, pois certas hormonas são passadas para eles através da placenta pelas mães, pouco antes do nascimento. 
Também pode existir stress do parto que faz com que o bebé liberte hormonas. Estas marcas do acne, por ser um acne leve, desaparece rapidamente. 

Acne Infantil -  Entre os três meses e um ano e meio de idade pode desenvolver-se acne podendo aparecer pontos negros e espinhas. Nenhum destes tipos de acne deixam marcas porque a pele ainda se vai modificar nesta idade. A causa é a libertação elevada de níveis hormonais. 

Acne Vulgar - Este é o tipo mais comum do acne aparecendo apenas em adolescentes e adultos. 

Acne Cística - Este acne é um tipo de acne mais raro. Ocorre, na maior parte das vezes em adolescentes de sexo masculino evidenciando-se no rosto, costas, peito, braços, e coxas. É um acne mais difícil de tratar e quase sempre deixa cicatrizes. 

Acne Fulminante - É uma forma grave de acne que ocorre mais em meninos adolescentes. No acne fulminante, um grande número de espinhas desenvolve-se muito rapidamente nas costas e no peito. Essas espinhas muitas vezes deixam cicatrizes graves. Pessoas com acne fulminante muitas vezes sofrem com febre, dor muscular e óssea.

Causas 
A acne mais comum é o tipo que se desenvolve durante a adolescência, onde as principais causas são: 
  • A puberdade, que faz com que os níveis hormonais fiquem elevados, especialmente a testosterona. Estas hormonas estimulam as glândulas da pele, que começam a produzir mais óleo (sebo). 
  • A superprodução de sebo na pele e a concentração de células mortas nos folículos pilosos da pele. Esses fatores resultam em obstrução, com acumulo de bactérias e inflamação. 
Os folículos pilosos estão ligados a glândulas sebáceas, que escondem uma substância oleosa, conhecida como sebo, para lubrificar o seu cabelo e pele. Quando o corpo produz uma quantidade excessiva de sebo e células mortas da pele, os dois podem se acumular nos folículos pilosos, criando um ambiente onde as bactérias podem prosperar. 

Esse cenário pode fazer com que o folículo se torne inchado e inflamado, acumulando pus, formando a espinha. Também pode acontecer de o folículo se abrir e escurecer, gerando um cravo. 

A acne piora com: 
  • Hormonas, que aumentam em meninos e meninas durante a puberdade, fazendo as glândulas sebáceas ampliarem e produzirem mais sebo. Alterações hormonais relacionadas com a gravidez e o uso de contracetivos orais também pode afetar a produção de sebo.
  • Certos medicamentos, como os corticoides, andrógenos ou a base de lítio são conhecidos por causar acne.
  • Fatores dietéticos, incluindo ingestão excessiva de produtos lácteos e alimentos ricos em carboidratos - como pães, biscoitos e batatas fritas - pode desencadear acne.
Mitos 
Quase todos os adolescentes deixam de comer chocolate porque pensam e ouvem que isso afeta a acne. Mas é totalmente mentira. Alimentos gordurosos e chocolate têm pouco ou nenhum efeito sobre o desenvolvimento ou curso da acne. 

Também se diz que se deve lavar a cara com sabonete neutro para retirar o lixo que provoca acne, mas também não é uma teoria inteiramente correta. A acne não é causada pela sujidade. Na verdade, esfregar a pele com muita força ou a limpeza com sabonetes abrasivos e produtos químicos irrita a pele e pode piorar a acne. Fazer uma simples limpeza da pele para remover o excesso de óleo e células mortas é tudo o que é necessário.

Sintomas 
A acne desenvolve-se mais na cara, pescoço, peito, ombros e costas e pode variar de leve para grave. 
Existem certos tipos de acne que podem durar meses, anos ou, infelizmente, a vida toda. 
Geralmente, a acne provoca apenas espinhas e cravos. Às vezes, pode evoluir para cistos e nódulos. As lesões císticas são espinhas que são grandes e profundas, muitas vezes dolorosas e que podem deixar cicatrizes na pele. 
A acne pode levar à baixa autoestima e, por vezes, á depressão. Essas condições necessitam de tratamento, juntamente com o da acne em si.

Tratamento Médico 
Especialistas que podem diagnosticar e tratar acne são: 
  • Dermatologistas 
O dermatologista fará um exame físico e irá perguntar sobre o seu histórico médico. Na maioria das vezes, não serão feitos testes especiais para acne. Pode ser que o médico peça outros exames, se suspeitar que a acne é um sintoma de outro problema médico. 

O tratamento da acne inclui: 
  • Cremes tópicos de venda livre 
  • Cremes tópicos disponíveis com prescrição 
  • Antibióticos, que podem ser combinados com outros produtos tópicos ou orais 
  • Contracetivos orais 
  • Isotretinoína oral 
  • Procedimentos cosméticos
Tratamentos Caseiros 
Deixo aqui duas receita caseira para o tratamento da acne. 

CREME DE PEPINO
Ingredientes: 
  • Um pepino 
  • Uma colher de sopa de açúcar mascavado 
Preparação: 
  • Cortar o pepino em rodelas e amassar bem até virar um creme, coar e juntar o açúcar. Misturar bem. 
  • Passar no rosto e no resto das áreas em que houver acnes. 
  • O Pepino também é indicado para melhorar a pele de modo geral, fazendo-se compressas com o pepino, a pele fica tonificada, sem manchas e até previne o surgimento de rugas. 
COMPRESSA DE SALSA 
Ingredientes: 
  • Meio litro de água 
  • Três colheres de chá de folhas de salsa
Detalhe: as folhas devem ser bem picadas 

Preparação: 
  • Ferver a água, desligar o fogo e acrescentar a salsa. Deixar abafado por dez minutos, coar e deixar esfriar. 
  • Quando esfriar, umedeça compressas de algodão ou compressas de gaze e coloque no rosto e nas áreas afetadas.

7 de julho de 2011

O que são Estrias?

quinta-feira, julho 07, 2011

As estrias são um grande problema estético que atinge principalmente as mulheres.

Em que circunstâncias podem aparecer?
  • Durante a gravidez
  • Durante a adolescência
  • Obesidade e distúrbios nutricionais
  • Devido a doenças endócrinas e tratamentos com corticóides
Quais são as zonas do corpo mais afectadas?
  • Puberdade: elas surgem nas coxas, anca, seios e nádegas
  • Durante a gravidez: localizam-se sobretudo na barriga e seios.
Como é que se distribuem?
  • Na barriga: em redor do umbigo.
  • Coxas e nádegas: de forma oblíqua
  • Seios: orientadas em direcção à auréola
  • Tronco e nas raízes dos braços e pernas: são transversais.
As estrias são habitualmente simétricas e, na maioria dos casos, perpendiculares ao sentido de maior tensão aquando da distensão provocada por um estado fisiológico (uma gravidez, por exemplo).

Como é que o aspecto das estrias evolui ao longo do tempo?
Há uma fase inicial inflamatória, em que as estrias são ligeiramente planas ou elevadas, com uma cor púrpura, começando rapidamente a alargar e a alongar, passando para uma cor violácea. Na fase seguinte, chamada cicatricial, as estrias vão evoluir para o seu aspecto definitivo: uma atrofia provoca uma depressão cutânea, a epiderme mais fina nessa zona adquire um aspecto branco nacarado mas também pode, muito raramente, pigmentar-se e ficar do tom da pele. Se não forem tratadas, as estrias vão persistir indefinidamente: quanto muito podem diminuir ligeiramente de tamanho e a sua cor pode atenuar-se ligeiramente.

Podem ser tratadas e eliminadas definitivamente?
Para começar, convém saber que, se não forem tratadas, não há a mínima hipótese de elas desaparecerem espontaneamente. A estria nunca desaparece completamente, embora a sua cor possa ir clareando até ao branco nacarado e, com a ajuda de tratamentos dermatológicos específicos, a sua largura, profundidade e cor possam diminuir, tornando-as menos visíveis.

Ao fim de quanto tempo se começam a ver resultados com um tratamento cosmético?
É aconselhável seguir o tratamento durante pelo menos 6 a 8 semanas, massajando cuidadosamente o produto na área afectada. Os primeiros resultados começam a notar-se entre o 21º e o 25º dia de tratamento assíduo.

O sol pode agravá-las?
Como a pele já não consegue fabricar pigmento e bronzear nas estrias propriamente ditas, elas notam-se mais quando bronzeamos porque vão continuar brancas. Mas se forem devidamente tratadas, após alguns meses as células que fabricam os pigmentos reactivam-se e então as estrias serão pigmentadas à semelhança do resto da pele.

Popular

Follow by Email