Escreva a sua pesquisa

Mostrar mensagens com a etiqueta Cuidados com a pele. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Cuidados com a pele. Mostrar todas as mensagens

28 de julho de 2019

Como prevenir o cancro da pele

domingo, julho 28, 2019
Neste artigo apresentamos algumas recomendações para prevenir o cancro da pele e alertar para a importância da prevenção e da realização de um check-up periódico, para detectar qualquer anormalidade que possa surgir na pele antes que seja tarde demais. 

Como prevenir o cancro da pele

O verão acabou de chegar e para breve está previsto um aumento das temperaturas em Portugal, e por isso altos índices de raios UV, situação que exige uma maior cautela diante do risco de cancro da pele devido à exposição contínua ao sol. 

Nos últimos anos os casos de cancro da pele duplicaram em Portugal, sendo o melanoma, uma das formas mais malignas do cancro da pele, tendo como causa a exposição ao sol excessivo que os portugueses apanham na praia. 

A maioria das pessoas que vai à praia apanha um escaldão e subestima os danos que a queimadura solar pode causar à sua pele, pois acham que a vermelhidão da pele é inofensiva e faz parte do processo de bronzeamento da pele, mas um escaldão pode causar danos irreparáveis na pele e dar origem a cancro na pele. 

Por isso, é necessário ter atenção às mudanças na pele e ao aparecimento de manchas que podem vir a tornar-se perigosas se não forem detetadas a tempo, porque podem vir a tornar-se num cancro da pele. 

Embora o cancro da pele não apareça apenas a partir de manchas visíveis na pele, pois ás vezes também surgem melanomas malignos, sem alterações de cor da pele, sendo muito difíceis de diagnosticar. 

Existem áreas do corpo onde podem surgir vários tipos de cancro, que são muito difíceis de detectar, já que a sua origem é nas células chamadas melanócitos, que nos dão o pigmento da pele, olhos e mucosas. 

Deteção precoce

É de extrema importância a deteção precoce do cancro da pele através de check-ups constantes. Quando o cancro da pele é detectado em estágios iniciais, ele é removido e não há problema, sendo a taxa de sobrevivência muito alta, mas tudo depende do estágio do cancro no qual o diagnóstico foi feito, o que afeta o resultado do tratamento. 

Entre os principais fatores de risco a considerar, estão a exposição prolongada ao sol, ter história familiar de melanoma ou ter mais de 15 ou 20 sinais no corpo. 

Recomendações para prevenir o cancro de pele:

É recomendado visitar um dermatologista pelo menos uma ou duas vezes por ano, para descartar a presença de cancro, como o carcinoma basocelular, carcinoma das células escamosas ou melanomas (o mais grave). 

Deve ter atenção aos sinais que mudam de cor, sejam para mais escuro ou mais claro que o normal. 

Artigo relacionado:  5 Cuidados a ter com a exposição ao sol

Também é aconselhável consultar um dermatologista se as bordas do sinal ficarem irregulares ou aumentarem de tamanho. 

É importante evitar a exposição ao sol nos horários de pico, entre as 11:00 e as 17:00 horas, além de que deve usar protetor solar e aplicá-lo a cada 4 horas nas áreas mais expostas e ter barreiras físicas como chapéus, roupas e lentes escuras. 

Como reconhecer os sintomas do cancro da pele 

A regra ABCDE ajuda a conhecer os sinais de alerta do melanoma

A - Assimetria: o sinal quando dividido ao meio, uma metade é diferente da outra metade. 

B - Borda: as bordas são mal definidas ou irregulares. 

C - Cor: alterações na cor de um sinal, pode até ter diferentes tonalidades, incluindo escurecimento, perda de cor ou a aparência de cores diferentes, como castanho, preto e por vezes de vermelho, azul e branco. 

D - Diâmetro: se o sinal é maior que 6 milímetros. (mais ou menos do tamanho de uma borracha de lápis). 

E - Elevação: o sinal está elevado acima do nível da pele e tem uma superfície irregular. 

Outros sinais de aviso são: 

  • Uma ferida que não cicatriza. 
  • Vermelhidão da pele ou uma inflamação além da borda do sinal. 
  • Alterações na pele (comichão, sensibilidade ou dor). 
  • Alteração na superfície da pele (descamação, exsudação, sangramento ou aparecimento de um nódulo). 

Às vezes é difícil distinguir a diferença entre um melanoma e uma verruga comum, por isso é recomendado que você mostre ao seu médico qualquer sinal que seja duvidoso.

12 de julho de 2019

5 Cuidados a ter com a exposição ao sol

sexta-feira, julho 12, 2019
O sol faz muito bem a saúde, já que ele nos dá a vitamina D. Porém, como tudo na vida, a exposição ao sol excessiva pode ser muito prejudicial, por isso, é essencial ter cuidado na hora de sair à rua. 
5 cuidados a ter com a exposição solar

Perigos da exposição ao sol 

A exposição ao sol, mesmo com proteção, pode ser muito perigosa. Entre os perigos da exposição solar estão: cancro de pele, fotoenvelhecimento da pele, flacidez, manchas, linhas de expressão e rugas. A pele corre muitos riscos quando exposta ao sol. Além dos problemas anteriormente descritos, a exposição solar pode causar outros problemas na pele, são eles: 

Melasmas – São manchas de sol acastanhadas causadas pelo excesso de exposição solar durante a vida. É um transtorno cutâneo comum que pode surgir em qualquer pessoa. No entanto, as mulheres têm mais risco de desenvolvê-la. Os melasmas são mais comuns em mulheres grávidas, nas que tomam contraceptivos orais e também nas que fazem reposição hormonal durante a menopausa. O melasma também pode ser causado por fatores raciais e genéticos. 

Fitofotodermatoses – São manchas comuns causadas pela exposição solar. É resultado de uma inflamação pelo contato da pele com algumas frutas, especialmente as cítricas, como o limão. Quanto mais clara for a pele mais manchada ela ficará. Essas manchas têm tons de castanho e não causam ardência nem comichão. 

Melanose solar – Também conhecida como melanose senil, são manchas escuras, de cor castanho claro a castanho escuro, são pequenas, mas podem aumentar de tamanho com o passar do tempo. Elas aparecem somente nas regiões mais expostas ao sol como o rosto, o dorso, os braços, as mãos, os ombros e o peito. São mais frequentes em pessoas com pele clara, mas não têm relevo nem textura. 

Queratose – É uma ferida áspera, de cor esbranquiçada ou avermelhada, que não sara. A probabilidade de essa ferida se tornar um cancro de pele é de 20%. Essa ferida, além de ser áspera é endurecida. 

Diferenças entre os raios UVB e UVA 

UVB – Os raios de sol UVB não ultrapassam as nuvens, deixam a pele vermelha e queimada, auxiliam na fabricação da vitamina D, aumentam o risco de cancro de pele, e são abundantes entre as 10h e 16h e tem alto grau de intensidade. 

UVA – Os raios de sol UVA atingem a derme, camada mais profunda da pele, dando a aparência de um bronzeado. Eles ultrapassam as nuvens, ou seja, mesmo em dias nublados, eles podem atingir a pele. Responsáveis pelo bronzeado, rugas e manchas de pele, tem médio grau de intensidade, não é bloqueado totalmente com protetor solar, produzem vitamina D e são responsáveis pelo cancro de pele e envelhecimento precoce da pele. 

Tanto os raios UVA quanto os raios UVB são responsáveis por 90% da produção da vitamina D, essencial para o fortalecimento e formação dos ossos. 

5 cuidados a ter com a exposição solar 

1. Protetor solar – Quando se fala em exposição ao sol, o primeiro item que vem à cabeça de todos é o protetor solar. Escolha um protetor que proteja a pele de todos os tipos de raios de sol como o UVA e o UVB e com FPS de 15 a 50. Quanto mais clara a pele maior deve ser o fator de proteção. 

2. Não confie somente no protetor – Muitas pessoas, quando vão apanhar sol, aplicam apenas o protetor. Porém, é muito importante usar outros meios para se proteger do sol como chapéus e óculos. 

3. Apanhe sol nos horários certos – Quando for à praia ou piscina, prefira os horários antes das 10 horas da manhã e depois das 16 horas da tarde. 

4. Aplicação do protetor solar – Quando for se expor ao sol, faça a aplicação do protetor solar a cada meia hora, assim, garantirá mais proteção. 

5. Fique no sol por pouco tempo – Quando for apanhar sol, procure ficar pouco tempo, assim não correrá riscos de ter manchas de pele e cancro.

7 de julho de 2011

Pele Seca

quinta-feira, julho 07, 2011
Se tens uma pele muito seca, deves hidratar a pele de todo o corpo diariamente e repetir esse gesto, caso seja necessário, várias vezes ao dia, com hidratantes que estabeleçam uma barreira entre a pele e a humidade.
Além dos cremes, loções e produtos hidratantes que encontras à venda em farmácias, perfumarias e supermercados, podes também experimentar fazer um tratamento com óleos corporais. São uma boa solução quando a pele está a precisar de cuidados extra.
Este tipo de produtos devem ser usados depois do banho e não necessitam de ser enxaguados, secam naturalmente e, apesar de não entrarem nas camadas inferiores da pele, melhoram o aspecto da epiderme e eliminam as escamas provocadas pela secura extrema. Podes também usá-los nas mãos antes de se deitar. Massaja-as com óleo de amêndoas, calça luvas de algodão e deixa repousar durante 15 minutos.
Antes de hidratar o rosto, é obrigatório eliminar todas as impurezas com água fria ou morna. Quanto mais quente for a água, mais seca ficará a pele.
Escolhe um leite ou um gel de limpeza não detersivos, que arrastem a sujidade sem agredir a pele e que não alterem o equilíbrio fisiológico cutâneo. Os que contêm aveia coloidal são um bom exemplo disso.
De seguida, aplica o creme hidratante, massajando o rosto suavemente. Escolhe produtos adequados ao teu tipo de pele e que sejam ricos em ceramidas, ácido glicólico, vitamina E e lactato de amónio. Este último promove uma reorganização da camada córnea, devolvendo à pele a capacidade de reter água.

Os lábios são uma das zonas do rosto particularmente sensíveis às baixas temperaturas. Para evitar que fiquem secos e gretados, nunca saias de casa sem os proteger e leva sempre contigo um bâton ou um creme labial nutritivo e hidratante, que deve também conter índice de protecção.
Não cometas o erro de os molhar constantemente com saliva, pois esse gesto contribui apenas para que fiquem mais desidratados.

As mudanças bruscas de temperatura e a constante fricção das peças de roupa agravam ainda mais a situação, a pele torna-se seca e podem surgir descamações.

Dicas muito importantes
Não tomes banho com água muito quente e opta por um creme lavante em vez dos sabonetes. No final do duche, usa um creme hidratante e nutritivo, com ureia e lactato de amónio, espalha-o massajando-o por todo o corpo, dando especial atenção às áreas mais secas (cotovelos e joelhos).

Popular

Follow by Email