Escreva a sua pesquisa

Mostrar mensagens com a etiqueta Cancro. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Cancro. Mostrar todas as mensagens

4 de agosto de 2019

Como saber se tenho cancro da mama?

domingo, agosto 04, 2019
No post de hoje vamos falar de um assunto muito sério. O Cancro. Em concreto, do cancro da mama. 

Sabia que o cancro da mama afeta uma em cada oito mulheres sendo uma das principais causas de morte por cancro? Se existe um historial de cancro da mama na sua família é importante que seja proactiva e esteja atenta a qualquer mudança nos seus seios, com certeza também já teve esta duvida, de como saber se tem cancro da mama. A deteção precoce aumenta a taxa de sucesso do tratamento e a taxa de sobrevivência aumenta de 60% para 90% nos casos em que a deteção é precoce. 

Como saber se tenho cancro da mama?

As formas mais comuns para detectar o cancro da mama consistem na realização de uma mamografia ou através de um auto-exame ao peito e axilas procurando algum nódulo suspeito. 

Embora o cancro da mama seja mais comum em mulheres com mais de 45 anos, também pode ocorrer em idades muito precoces. É por isso que depois dos 20 anos, as mulheres devem começar a fazer um auto-exame ao peito de forma ocasional. 

Se tem mais de 40 anos, embora possa realizar o auto-exame em casa, é muito importante realizar uma mamografia anualmente como medida de prevenção e para detectar algo que você não tenha notado. Não se esqueça que o diagnóstico precoce é muito importante. 

Como fazer o auto-exame da mama em casa?

Você pode fazer o exame sempre que quiser, embora seja melhor fazê-lo após a menstruação, pois é quando os seios estão menos inchados. 

Passo 1: Coloque-se na frente de um espelho com o peito nu e com os ombros retos e os braços na altura do quadril e olhe para os seios. 
Isto é o que deve analisar: 
  • Se o tamanho do peito, forma e cor, estão normais.
  • Se os seios estão bem torneados, e que não têm nenhuma deformação visível ou inflamações 
Se você detectar alguma das seguintes alterações nos seus seios deve informar o seu médico: 
  • Enrugamento, ondulações ou protuberâncias na pele 
  • Mudança da posição do mamilo 
  • Eritema, dor, prurido, inchaço ou sensibilidade 
  • Corrimento mamilar (pode ser sanguinolento, transparente ou amarelado) 

Passo 2: Levante os braços e veja se encontra alguma das alterações acima indicadas. 


Passo 3: De frente para o espelho, veja se sai algum líquido de um ou de ambos os mamilos (pode ser transparente, leitoso ou amarelado, ou conter sangue). 

Passo 4: De seguida, com a mão faça palpação dos seios com as mãos invertidas, ou seja, a mama esquerda com a mão direita e vice-versa. Faça um toque firme e pausado com a ponta dos dedos, mantendo os dedos em linha reta e juntos. O movimento deve ser circular, aproximadamente do tamanho de uma moeda. 

Controle toda a mama a partir de cima para baixo e de lado a lado: desde a clavícula até à parte superior do abdómen, e a partir da axila para o decote. 

Deve certificar-se de cobrir toda a mama. Você pode começar com o mamilo e depois fazer círculos cada vez maiores até chegar à parte exterior da mama. 

Você também pode mover os dedos verticalmente para cima e para baixo. Este movimento para cima e para baixo é geralmente o mais usado pelas mulheres. Deve certificar-se de fazer a palpação de todo o tecido mamário, tanto na frente como na parte de trás. Deve também pressionar de forma moderada fazendo a palpação da pele e do tecido da superfície, até chegar ao meio da mama, e depois fazer uma pressão mais firme para alcançar os tecidos mais profundos. Para chegar aos tecidos mais profundos, você tem que pressionar para ser capaz de sentir as costelas. 

Passo 5: Finalmente, deve apalpar os seios em pé ou sentada. Muitas mulheres dizem que a melhor maneira de sentirem os seus seios é quando a pele está molhada e escorregadia, por isso preferem realizar este auto-exame quando estão no chuveiro.

É importante que todas as mulheres façam este auto-exame da mama em casa, pois o cancro da mama atinge cerca de 1 em cada 8 mulheres em todo o mundo, e atenção que não é um cancro ligado ao publico feminino, há que ter sempre cuidado pois existe também cancro da mama no homem.

28 de julho de 2019

Como prevenir o cancro da pele

domingo, julho 28, 2019
Neste artigo apresentamos algumas recomendações para prevenir o cancro da pele e alertar para a importância da prevenção e da realização de um check-up periódico, para detectar qualquer anormalidade que possa surgir na pele antes que seja tarde demais. 

Como prevenir o cancro da pele

O verão acabou de chegar e para breve está previsto um aumento das temperaturas em Portugal, e por isso altos índices de raios UV, situação que exige uma maior cautela diante do risco de cancro da pele devido à exposição contínua ao sol. 

Nos últimos anos os casos de cancro da pele duplicaram em Portugal, sendo o melanoma, uma das formas mais malignas do cancro da pele, tendo como causa a exposição ao sol excessivo que os portugueses apanham na praia. 

A maioria das pessoas que vai à praia apanha um escaldão e subestima os danos que a queimadura solar pode causar à sua pele, pois acham que a vermelhidão da pele é inofensiva e faz parte do processo de bronzeamento da pele, mas um escaldão pode causar danos irreparáveis na pele e dar origem a cancro na pele. 

Por isso, é necessário ter atenção às mudanças na pele e ao aparecimento de manchas que podem vir a tornar-se perigosas se não forem detetadas a tempo, porque podem vir a tornar-se num cancro da pele. 

Embora o cancro da pele não apareça apenas a partir de manchas visíveis na pele, pois ás vezes também surgem melanomas malignos, sem alterações de cor da pele, sendo muito difíceis de diagnosticar. 

Existem áreas do corpo onde podem surgir vários tipos de cancro, que são muito difíceis de detectar, já que a sua origem é nas células chamadas melanócitos, que nos dão o pigmento da pele, olhos e mucosas. 

Deteção precoce

É de extrema importância a deteção precoce do cancro da pele através de check-ups constantes. Quando o cancro da pele é detectado em estágios iniciais, ele é removido e não há problema, sendo a taxa de sobrevivência muito alta, mas tudo depende do estágio do cancro no qual o diagnóstico foi feito, o que afeta o resultado do tratamento. 

Entre os principais fatores de risco a considerar, estão a exposição prolongada ao sol, ter história familiar de melanoma ou ter mais de 15 ou 20 sinais no corpo. 

Recomendações para prevenir o cancro de pele:

É recomendado visitar um dermatologista pelo menos uma ou duas vezes por ano, para descartar a presença de cancro, como o carcinoma basocelular, carcinoma das células escamosas ou melanomas (o mais grave). 

Deve ter atenção aos sinais que mudam de cor, sejam para mais escuro ou mais claro que o normal. 

Artigo relacionado:  5 Cuidados a ter com a exposição ao sol

Também é aconselhável consultar um dermatologista se as bordas do sinal ficarem irregulares ou aumentarem de tamanho. 

É importante evitar a exposição ao sol nos horários de pico, entre as 11:00 e as 17:00 horas, além de que deve usar protetor solar e aplicá-lo a cada 4 horas nas áreas mais expostas e ter barreiras físicas como chapéus, roupas e lentes escuras. 

Como reconhecer os sintomas do cancro da pele 

A regra ABCDE ajuda a conhecer os sinais de alerta do melanoma

A - Assimetria: o sinal quando dividido ao meio, uma metade é diferente da outra metade. 

B - Borda: as bordas são mal definidas ou irregulares. 

C - Cor: alterações na cor de um sinal, pode até ter diferentes tonalidades, incluindo escurecimento, perda de cor ou a aparência de cores diferentes, como castanho, preto e por vezes de vermelho, azul e branco. 

D - Diâmetro: se o sinal é maior que 6 milímetros. (mais ou menos do tamanho de uma borracha de lápis). 

E - Elevação: o sinal está elevado acima do nível da pele e tem uma superfície irregular. 

Outros sinais de aviso são: 

  • Uma ferida que não cicatriza. 
  • Vermelhidão da pele ou uma inflamação além da borda do sinal. 
  • Alterações na pele (comichão, sensibilidade ou dor). 
  • Alteração na superfície da pele (descamação, exsudação, sangramento ou aparecimento de um nódulo). 

Às vezes é difícil distinguir a diferença entre um melanoma e uma verruga comum, por isso é recomendado que você mostre ao seu médico qualquer sinal que seja duvidoso.

Popular

Follow by Email