Escreva a sua pesquisa

Mostrar mensagens com a etiqueta Ansiedade. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Ansiedade. Mostrar todas as mensagens

10 de abril de 2020

Métodos para lidar com a ansiedade

sexta-feira, abril 10, 2020
Pesquisas indicam resultados positivos do Botox para tratamento da ansiedade e depressão
O ano de 2020 chegou de maneira imprevisível para toda a humanidade. Já nos primeiros meses do ano nos deparamos com uma pandemia de coronavírus que colocou o mundo em alerta e biliões de pessoas em quarentena.

No entanto, mesmo antes desses acontecimentos excepcionais, uma parcela significativa da população já apresentava sintomas de ansiedade que podem se manifestar de forma mais intensa como transtorno de ansiedade, considerado uma doença psíquica.

O ritmo de vida cada vez mais acelerado, o stress, cobranças e inseguranças são motivos que levaram nossa sociedade a esse caminho. Saiba mais a seguir!
Photo by Fernando @cferdo on Unsplash


Quais os principais motivos para ansiedade?

Durante a quarentena imposta devido ao coronavírus, os motivos para ansiedade aumentaram, afinal, o isolamento social não é fácil e demanda controle físico e emocional.

Além disso, instala-se toda uma sensação de medo e insegurança que normalmente já está diretamente associada aos quadros de ansiedade.

É claro que algumas pessoas podem apresentar ansiedade sem que seja caracterizada como uma doença. Isso acontece quando há quadros mais amenos desse estado emocional sem sintomas contínuos ou físicos.

A ansiedade, portanto, pode ser causada por uma insegurança pessoal ou coletiva, altas expectativas com o futuro - especialmente aspectos que não podem ser controlados pelo indivíduo, traumas, predisposição genética, doenças físicas e também por depressão.
Assim, o transtorno de ansiedade se manifesta a partir de alguns sintomas psicológicos e físicos que podem ser observados pela pessoa em busca de um autodiagnóstico:
  • o medo constante é um dos principais indicativos de ansiedade, sendo que ele pode surgir de modo inesperado. Destaca-se que a pandemia de saúde pode agravar esse medo, com receios em relação ao trabalho, saúde e entes queridos;
  • pessoas com quadros mais graves de ansiedade têm dificuldade para colocar os problemas de lado e tendem a ficar remoendo essas inseguranças, o que prejudica diretamente o sono, causando insônia;
  • o transtorno pode ter manifestações físicas, como enjoos e vômitos, pois a mente identifica uma situação de perigo e o corpo libera adrenalina para que o indivíduo possa “lutar” ou “correr”, tratando-se de um instinto de sobrevivência;
  • um dos aspectos críticos da quarentena é que a ansiedade gera dificuldade para socialização, levando-a ainda mais ao isolamento não apenas físico, mas também emocional;
  • devido aos demais sintomas, a pessoa com um quadro agravado de ansiedade tende a sentir um cansaço excessivo, o que desestimula atividades que poderiam ajudá-la a superar o momento de dificuldade;
  • a ansiedade também se manifesta com uma intensificação do stress, com pequenas coisas afetando enormemente o bem-estar;
  • a ansiedade também pode levar às pessoas a hábitos prejudiciais, principalmente quando há tendência a comportamentos depreciativos, como tricotilomania (puxar os cabelos impulsivamente) ou roer as unhas.

A identificação da ansiedade é a principal forma de combatê-la, portanto, a pessoa deve ficar atenta a esses sintomas e buscar ajuda especializada quando identificar quadros mais críticos de ansiedade.

Como lidar com a ansiedade?

Com a quarentena e necessidade do isolamento social é ainda mais importante identificar métodos para controlar a ansiedade. Sabemos que nem sempre é fácil sair da procrastinação para adotá-los, mas é importante que haja um esforço nesse sentido. Eles incluem:
  • realizar atividades físicas diariamente;
  • manter o controle da respiração, principalmente quando há um pico de adrenalina;
  • tentar evitar os pensamentos negativos que aumentam o medo;
  • organizar a rotina para evitar a confusão que gera mal estar;
  • conversar com pessoas que você gosta;
  • estabeleça metas realistas para ocupar a mente;
  • alimente-se bem investindo em alimentos que são fontes de triptofano, como a banana e chocolate;
  • concentre seus esforços no presente, evitando sofrer por antecipação.

Caso essas tentativas não apresentem resultados a recomendação é procurar ajuda especializada. Nesse sentido, um novo tratamento tem sido utilizado para casos de ansiedade e depressão, o Botox.


Qual a relação entre Botox e ansiedade?


O Botox transformou-se no tratamento estético mais realizado no Brasil, com 300 mil procedimentos anuais entre homens e mulheres. O valor representa 3 vezes mais do que a principal cirurgia plástica realizada, a mamoplastia de aumento.

No entanto, a toxina botulínica, princípio ativo do Botox, já estava sendo usada para fins médicos e terapêuticos, principalmente no tratamento da enxaqueca crônica, mas os novos resultados são ainda mais promissores.

De acordo com um estudo da Universidade Georgetown, nos Estados Unidos, com 74 adultos diagnosticados com depressão, o tratamento pode apresentar melhora no humor dos pacientes devido efeitos reais na química cerebral.

Na pesquisa, metade dos participantes receberam aplicações de toxina botulínica enquanto a outra parte de placebo. Após 6 semanas, 52% dos que receberam o Botox sentiram-se significativamente melhor e apenas 15% do grupo de controle apresentaram melhoras.

Outra pesquisa, realizada na Universidade do Texas Southwestern apresentou resultados semelhantes, confirmando os benefícios da toxina botulínica no tratamento de depressão e ansiedade.

As pesquisas indicam que a aplicação do Botox possa afetar a região límbica do cérebro que é responsável pelas emoções e comportamentos sociais.

Portanto, em breve, o Botox pode ter uma aplicação significativa para tratamentos estéticos, mas também para doenças psíquicas, como a depressão e ansiedade que são cada vez mais comuns na nossa sociedade.

1 de julho de 2019

5 Alimentos ricos em Serotonina

segunda-feira, julho 01, 2019
A alimentação é muito importante para ter saúde e bem estar. Uma das substâncias que não pode faltar no dia a dia é a serotonina

5 alimentos que ajudam a combater a depressão

O que é a Serotonina? 

Os alimentos ricos em serotonina são fundamentais para manter o bom humor e evitar a depressão. A serotonina é uma substância encontrada no cérebro, que é responsável por muitas funções vitais do corpo e é fundamental na regulação do sono e do humor. 
A serotonina está a receber muita atenção por parte dos cientistas, porque, muitas pesquisas mostram que os baixos níveis desse neurotransmissor podem provocar o comportamento agressivo e sintomas de depressão e ansiedade

Os baixos níveis de serotonina também podem causar comportamentos impulsivos, agressivos e até suicidas. Por tudo isso, esse neurotransmissor é essencial para todas as pessoas. A boa notícia é que existem alimentos capazes de aumentar a serotonina no cérebro, melhorando o humor e a vida no dia a dia. 

Como aumentar a serotonina 

Para aumentar a serotonina é necessário consumir alimentos ricos em triptofano, fazer exercícios físicos e nos casos mais severos, até tomar medicação. 

5 alimentos para combater a depressão 5 alimentos ricos em serotonina 

1. Proteínas – Os alimentos mais ricos em proteínas são os de origem animal como peixe, carne, ovo, leite, iogurte, queijo, entre muitos outros. Nesses alimentos se encontra o triptofano que é um aminoácido essencial, pois, é o alicerce para o neurotransmissor serotonina. Adotar uma dieta com proteínas é muito importante para manter o humor e o bem estar. Sem o triptofano os níveis de serotonina no cérebro despencam. 
Ao consumir uma fonte de proteína com uma pequena quantidade de hidratos de carbono, todos os aminoácidos, menos o triptofano, são eliminados da corrente sanguínea, deixando assim o triptofano livre para atravessar a barreira do cérebro e formar a serotonina. 

2. Sementes de linhaça – Esses alimentos são ótimos para aumentar os níveis de serotonina no cérebro, pois, contêm altos níveis de ácidos gordos e triptofano. 60% do cérebro é composto por gorduras estruturais e os ácidos gordos formam uma grande parte das células nervosas do cérebro. O ômega 3 é muito usado para combater a depressão, depressão pós-parto, comportamento agressivo e outros problemas psicológicos. Consumir de 1 a 4 colheres de sopa de semente de linhaça ou 1 ou 2 colheres de sopa de óleo de linhaça pode aumentar muito os níveis de serotonina

3. Trigo sarraceno – Esse alimento natural é rico em diversas vitaminas do complexo B e contém muito mais triptofano do que a maioria dos carboidratos ricos em amido. As vitaminas B são recomendadas como uma forma de melhorar os níveis de energia e humor e de combater a depressão. Pesquisas afirmam que as vitaminas do complexo B, principalmente, vitamina B6, é uma forte aliada na síntese de serotonina no cérebro. Alguns alimentos ricos em vitaminas do complexo B são: vegetais verdes, frango, iogurte, lacticínios em geral, amendoim, castanhas, nozes, ervilhas, ovos, leites, carnes, etc. 
Alimentos de amido natural formam um pequeno pico de insulina quando é ingerido, o que é necessário para a filtragem de outros aminoácidos na corrente sanguínea, fazendo com que o triptofano passe pelo sangue e vá para o cérebro, onde é transformado em serotonina. 

4. Peixes e frutos do mar – De acordo com estudos, os peixes como arenque, sardinha, salmão selvagem e os frutos do mar são ricos em gorduras essenciais para a produção de serotonina. As gorduras EPA e DHA, encontradas nesses alimentos, combatem as alterações que ocorrem pela falta de serotonia, fazendo com que as alterações de humor originadas pelo transtorno bipolar e a depressão fiquem reguladas. 
Se você consumir esses peixes e os frutos do mar apenas duas ou três vezes por semana, você estará recebendo a quantidade ideal das gorduras EPA e DHA. Estes alimentos são ricos em triptofano, aminoácido essencial para construir a serotonina. 

5. Banana – Essa fruta é um dos melhores alimentos para aumentar a serotonina. A banana é rica em triptofano e também carboidratos. As bananas podem ser consumidas em batidos, saladas de frutas, sobremesas e muito mais. 

Portanto, esses são 5 alimentos ricos em serotonina, ou seja, eles possuem triptofano, substância responsável pelo aumento desse neurotransmissor no cérebro.

22 de outubro de 2011

Saiba como controlar a Ansiedade

sábado, outubro 22, 2011
Nos dias que correm, este problema tem afectado cada vez mais pessoas em todo o mundo, devido ao elevado stress quotidiano.

O que é a Ansiedade?
A ansiedade, também conhecida como nervosismo, é uma sensação, característica do ser humano, derivada de momentos de tensão, preocupação e apreensão e sentida como anticipação de problemas. Também é conhecida com um estado emocional que se adquire por consequência de um acto.

Quando esta sensação é experimentada em momentos de muito stress, por exemplo a tomada de decisões importantes e situações muito dificeis de se lidar, é considerada normal. Mas caso esta sensação seja levada de maneira exagerada e constante, por exemplo com preocupações excesivas e situações que para a maioria das pessoas não encontra dificuldade, então será considerada como um transtorno, que pode afectar o individuo por vários anos e nalguns casos ser mesmo crónico.

É importante não confundir a ansiedade (transtorno) com a ansiedade do dia-a-dia. Todos nós por vezes nos sentimos tensos em relação a um acontecimento. Também não deve ser confundida com a fobia social e com o transtorno do pânico.

O que pode causar a ansiedade?
Normalmente este tipo de transtorno surge devido a vivências menos boas e também a problemas na infância.
Existem também causas biológicas como distúrbios hormonais ou anormalidades químicas a nível cerebral.
O stress exagerado da vida diária pode também causar este estado emocional.

Quais os sintomas deste transtorno?
  • Suores
  • Taquicardia
  • Nervosismo
  • Falta de Ar
  • Problemas digestivos
  • Fome exagerada
  • Fadiga
  • Sensação de desmaio
  • Insónia
  • Tonturas/Vertigens
  • Sensação de impotência
  • Tensão muscular
  • Tremores incontroláveis
  • Medos (de errar, de criticas, de magoar os outros, de desiludir)
  • Autocrítica auto-destrutiva
  • Irritação exagerada
  • Sentimento de inveja
  • Ingestão de calmantes ou bebidas alcoólicas, como alivio de tensões
  • Mania da perfeição

Como controlar a ansiedade?
A ansiedade é um transtorno emocional por isso deve ser tratada por um especialista, nomeadamente um psicoterapeuta. Existe medicação para controlo como por exemplo os antidepressivos e ansioliticos.
Existem também algumas dicas para ajudar a controlar a ansiedade como complemento ao tratamento clínico.
  • Aprender a relaxar
  • Respirar profundamente algumas vezes ao dia
  • Prática de actividade física (por exemplo uma caminhada)
  • Evitar produtos que tenham estimulantes (café, tabaco, droga, produtos com cafeína, etc)
  • Faça meditação ou ioga todos os dias
  • Faça uma alimentação saudável
  • Durma pelo menos 8 horas por dia

Popular

Follow by Email